Cinética

A arte do movimento

Abraham Palatnik em frente à uma de suas obras
fonte: https://artebrasileiros.com.br/topo/pioneiro-da-arte-cinetica-abraham-palatnik-morre-aos-92-anos/

A palavra cinético significa movimento ou corpo em movimento. Arte cinética é arte que trabalha o movimento, que sugere movimento. Movimentar-se é natural em todos os seres, desde nossas moléculas até as estrelas.

Mas existe uma engenhosidade na arte em se misturar com técnicas e ciência que ganha uma proporção magnífica, pois a arte inclui o prazer e a ludicidade. Isso abre um campo de experimentações.

O termo cinético vem sendo explorado na tradição artística desde o início do século 20.

Ainda que saibamos que a preocupação com o movimento nas artes visuais é muito mais antiga, remontando, no limite, aos animais representados nas cavernas pré-históricas, o termo só
foi efetivamente incorporado ao vocabulário artístico em 1955,
por ocasião da exposição «O Movimento» na galeria parisiense Denise René, com obras de artistas de diferentes gerações.

O específico da arte cinética é que nela o movimento constitui o princípio da sua estruturação. O cinetismo rompe assim com a condição estática da pintura, apresentando a obra como um objeto móvel, que não apenas traduz ou representa o movimento, mas está em movimento.

Em obras tridimensionais, temos os famosos móbiles de Alexander Calder, cujo movimento independe da posição e do olhar do observador. Construídos com peças de metal pintadas, suspensas por fios de arame, os móbiles movem-se ao sabor do vento mais suave, produzindo efeitos mutáveis em função da luz.

No Brasil Abraham Palatnik é considerado um dos pioneiros expandindo os caminhos das artes visuais ao relacionar arte, ciência e tecnologia. De modo criativo, e ao longo de seus mais de 60 anos de carreira, desenvolve maquinários com experimentações artísticas e estéticas diversas.

Outro grande expoente é o venezuelano Jesús Rafael Soto.
A arte se torna em suas mãos uma experiência de movimento, luz, espaço e tempo, fenômenos que, por não terem uma forma definida, só podem ser refletidos por meio dos relacionamentos.

A fisicalidade de suas peças fomenta uma experiência sensorial ao espectador por sua interação com a obra.

(http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo353/arte-cinetica)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *